sábado, 20 de março de 2010

KAISER Darrin 1954









Desenhado por Howard "Dutch" Darrin este esportivo debutou em 6 de Janeiro de 1954, tem a primazia de ter sido o primeiro carro de série com carroceria em fiberglass, não duvide, pois ele venceu o Corvette por apenas 1 mês, o carro é baseado no chassis do conversível Henri J com mecânica Jeep 6 cilindros e 3 marchas (a mesma da nossa linha Willys ou os produtos argentinos da IKA), note-se o sistema inédito de fechamento das portas, foram produzidas apenas 435 unidades devido ao alto preço e um design meio estranho para a época (tem muita coisa dos Kaiser de linha note a lanterna traseira do Kaiser Fraser) este das fotos é o chassis numero 218, valem mais ou menos U$ 100.000,00 e são presença constante nos Concours d'Elegance pelo mundo. Não tenho noticia de algum aqui pelo Brasil..a história da Kaiser é muito extensa começa com navios e termina hoje na AM General fabricante dos Hummers, fica para um outro post.

21 comentários:

M disse...

Coisa indecente ! Mais feio do que encoxar a mãe no tanque...

Migdonio disse...

Pelo tamanho da frente da impressão que vai aparecer um motorzão nervoso.
Imagina a reação dos amigos do cara que comprou quando viram a primeira vez.... ao olhar o motor, se perguntam: É isso?

Nanael Soubaim disse...

É estranho, mas gostei. E a abertuda das portas o qualifica para nossas vagas de condomínio.

Francisco J.Pellegrino disse...

Nanael, seja bemvindo e grato pelo comentário.

roberto zullino disse...

Achei adequado ao blog, esse é um carro de maloqueiro ou de cafetão americano feito de fábrica, não é pouca porcaria não.

Joel Marcos Cesetti disse...

Ótimos post's.

Também passei para lhe desejar um Otimo aniversário - PARABÉNS!!!


E você também é convidado para as MM de paperslotcar.
abs

Francisco J.Pellegrino disse...

Grande Joel, muito obrigado, vamos tentar comparecer nas MM.

abs

Cezar Fittipaldi disse...

Eu gostei.Exótico na medida certa e para a época.....
abraçao

Gonçalo disse...

Boa tarde

diferente, mas com muita classe....

abraço e resto de bom final de semana.

Tohmé disse...

Grande Chico. Meus parabéns, com um dia de atraso.
E num trocadilho ridículo, vamos abrir uma Kaiser...

Helio Herbert disse...

Feliz Niver Chicão.

Vicente disse...

Parabéns pelo post.
Um carro altamente colecionável e de grande valor histórico.

Vicente disse...

Chicão,
Vc faz aniversário em 21 de Março? Mesmo dia de meu pai.
Parabéns.

roberto zullino disse...

O Vivi não é mole não, coloca o M no chinelo, conhece tudo, ele tem toda razão de que essa josta é colecionável. Pena que ainda não tenhamos um museu de horrores, mas falta pouco.

Carros Antigos disse...

Chico, spotter's guide do Porsche 356, achei interessante:

http://www.356registry.org/tech/Guide/index.html

Vicente disse...

Zuzu,

Num Museu dos Horrores não podem faltar:

. Tatraplan
. Citroen Ami
. Citroen Berlingo
. Chrysler Airflow
. Fiat Multipla
. Fiat Dobló
. Gurgel X-15

Nota: os carros da Gurgel mereceriam uma ala especial

roberto zullino disse...

Não concordo com o Tatraplan, é lindo e bem desenhado. Quando digo bem desenhado é porque independente da forma do carro percebe-se coerência em todos os lugares.
Os horrores dão a impressão de terem sido desenhados aos poucos, por pessoas diferentes, muitas vezes o carro tem uma frente bonita, mas se percebe que o designer ficou com preguiça de fazer a traseira.
Os da Gurgel sempre foram mal desenhados de propósito, essa é a única explicação, afinal, o homem era um "gênio", quase um Salvador Dali e em algumas coisas até superior ao Salvador Dali.

Ron Groo disse...

Eu gostei, não conhecia este carro.
Achei bem interessante.

Vicente disse...

Zuzu,
Estabelecer um paralelo entre Dali e Gurgel, é como equiparar Bach com Titirica.
Tatraplan pode ter inúmeras soluções técnicas interessantísimas, como a maioria dos Tatras, mas é feio. Mas é um carro altamente colecionável.

roberto zullino disse...

Vivi,
O Tatrplan é feio como o fusca, mas é harmonioso na feiúra, percebe-se que pensaram no carro todo.
Essa josta da foto parece feita com peças de vários carros. Foram juntando desenhos de pessoas diferentes ou se foi apenas um desenhista ele devia ser astigmata, miope, vesgo, tudo ao mesmo tempo.

Vicente disse...

Zuzu,

Opinião sua, que seja respeitada. Beleza e feiúra são conceitos subjetivos. No campo automobilístico como na moda e nas artes em geral a subjetividade é que dá graça à coisa em si e discussões intermináveis que muitas vezes não levam a nada. Mas a expressão do gosto de cada um é válida e inalienável e, como disse antes, deve ser respeitada.